top of page

‘UM SÓ POVO, UM SÓ REICH’

Grupos neonazistas se espalham pelo sul do Brasil



A matéria abaixo é uma reprodução traduzida do conteúdo extraído do periódico norteamericano FINANCIAL TIMES, publicado em 10 de Agosto de 2023 por BRYAN HARRIS. Link da matéria original, em inglês, no final do texto. Tradução: Google Translate.

+++

A vida de Maria Tereza Capra deu uma guinada terrível no ano passado, quando ela recebeu ameaças de morte que a obrigaram a fugir de casa por meses. Então, o conselho da cidade em que ela se sentou votou pelo impeachment dela.

Seu crime: gravar e postar um vídeo online criticando os manifestantes que, nos dias tensos após a eleição do Brasil , se reuniram em frente a uma base do exército na cidade de São Miguel do Oeste. Ao som do hino nacional, os apoiadores do derrotado presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro estenderam o braço direito, com as palmas das mãos abertas, em saudação.

“O mundo inteiro viu que era um gesto nazista. É um gesto que você nunca faz, não pode fazer”, disse Capra.

O incidente em São Miguel do Oeste foi um dos vários que reacenderam os temores sobre o crescimento do extremismo de direita no Brasil , principalmente no sul do país. Historicamente lar de imigrantes alemães e italianos, estados do sul como Paraná e Santa Catarina, onde fica São Miguel, há muito são redutos conservadores. Eles continuam sendo um bastião de apoio político a Bolsonaro, o populista ex-capitão do exército.

O alarme de Capra sobre a saudação foi repetido pelos embaixadores da Alemanha e de Israel e pelo Museu Brasileiro do Holocausto. No entanto, o conselho a destituiu depois que uma investigação declarou que o gesto era “culturalmente comum na região”, onde é usado em juramentos religiosos e formaturas.


Apoiadores de Bolsonaro em frente ao quartel militar em São Miguel D´Oeste

Nos últimos meses, o sul do Brasil tem sido foco de inúmeras investigações policiais sobre células neonazistas. Mais de uma dúzia de incursões foram realizadas em uma semana apenas em julho, com a polícia apreendendo “grandes [quantidades de] material nazista e extremista”, além de quatro armas de fogo e dezenas de facas e outras armas. Dos 15 mandados de busca e apreensão, 13 estavam em estados do Sul, enquanto os outros dois estavam no estado de São Paulo.

As buscas resultaram de outra investigação no ano passado sobre a “fabricação de uma arma de fogo, em impressora 3D, por uma célula neonazista em Santa Catarina”, disse a polícia local. Esse grupo praticava “rituais de culto à doutrina hitlerista e se autodenominava ‘a nova SS de Santa Catarina’”, acrescentou a polícia.

Em imagens amadoras, dois membros do grupo ficam entre uma tocha acesa e uma bandeira nazista. “Um povo, um Reich, um Führer”, diz um homem em alemão enquanto dispara uma pistola para o ar.


Fonte: Policia Civil de Santa Catarina

Nos primeiros seis meses deste ano, houve mais de 20 investigações policiais sobre grupos neonazistas no Brasil, ante nove em todo o ano passado e apenas uma em 2018, segundo dados policiais divulgados pela Reuters.

Os números da polícia também mostraram um aumento de 380% no número de “atos antidemocráticos”, saltando de 68 em todo o ano passado para 326 apenas nos dois primeiros meses deste ano. A maior parte desses casos – que incluem tentativas de impedir eleições ou incitar a violência contra o estado – ocorreu no sul, principalmente em Santa Catarina.

“De 2018 a 2019, vimos o rápido crescimento desses grupos neonazistas”, disse Leonel Radde, ex-policial que agora é deputado estadual pelo Rio Grande do Sul, o estado mais ao sul do Brasil.

“A extrema direita está avançando em todos os lugares – não só aqui no Brasil – então isso fortalece esses grupos, eles começam a se sentir livres”, disse ele. Comunidades de bate-papo on-line descontroladas também impulsionaram os grupos, disse ele.

Um brasileiro preso no ano passado pela tentativa de assassinato de Cristina Fernández de Kirchner, vice-presidente da Argentina, foi tatuado com um símbolo nazista.


Itens apreendidos pela polícia durante batidas em células neonazistas no Brasil © polícia de SC

Radde disse que o sul do país tinha “o maior partido nazista fora da Alemanha no período pré-guerra”.

“Existe uma cultura de separatismo, de considerar o sul mais avançado – uma região que sustenta o resto do Brasil, o que é um absurdo claro. Existe essa ideia de que é uma região branca de imigração ítalo-alemã e pouco influenciada pelos negros brasileiros”, acrescentou.

Pomerode, uma cidade organizada de placas bilíngues e casas de enxaimel nas colinas de Santa Catarina, é um dos assentamentos alemães mais antigos do Brasil e recebeu o nome de Pomerânia. Mais de 80% do município votou em Bolsonaro nas eleições de outubro passado.

“Se você for para o interior, verá que ainda há muitos alemães, os colonizadores, falando em alemão. Se eles virem que você é brasileiro, uma pessoa comum, dificilmente vão falar com você”, disse Izilda Alves, moradora.

Mas ela acrescentou que, embora a região seja conservadora e tradicional, como muitas pessoas em Pomerode, ela acredita que os relatos de extremismo no sul são exagerados.

“Essa história de extremismo foi criada por pessoas que querem se beneficiar disso”, disse Cristina da Silva, outra moradora de Pomerode, que acredita que o governo de esquerda de Luiz Inácio Lula da Silva está usando alegações de neonazismo para perseguir oponentes políticos.

Ambas as mulheres ecoaram pontos de discussão marginais que afirmam – sem evidências – que Bolsonaro só perdeu a eleição do ano passado por causa de fraude nas urnas eletrônicas do Brasil.



Izilda Alves: ‘Se fores para o campo vais ver que ainda há muitos alemães’ © Ricardo Lisboa/FT


Cristina da Silva: ‘Esta história de extremismo foi criada por pessoas que dela querem tirar proveito’ © Ricardo Lisboa/FT

Na vizinha Blumenau, Flávio Linhares dirige o Movimento Conservador de Santa Catarina, que segundo ele busca conscientizar as crenças conservadoras e os valores da “filosofia grega, direito romano e família”.

Os cidadãos da região abominavam o extremismo, disse ele, e as alegações de nazismo eram exageros motivados pelo “notório preconceito” da mídia.

“Vejo um certo tipo de xenofobia contra as pessoas do sul”, disse ele, referindo-se ao exemplo da saudação de braço erguido, que ele observou ser frequentemente usada em cerimônias oficiais. “Não podemos dizer olá na rua sem que isso seja considerado uma saudação nazista.”

Linhares acrescentou que os conservadores foram frequentemente excluídos da vida pública, embora os partidos de direita dominem o Congresso federal e Bolsonaro tenha conquistado quase 70% dos votos em Santa Catarina no ano passado.



Blumenau, Brasil © Ricardo Lisboa/FT


Flávio Linhares: ‘Não podemos cumprimentar na rua sem que isso seja considerado uma saudação nazista’ © Ricardo Lisboa/FT

No entanto, João Klug, professor de história da Universidade Federal de Santa Catarina, disse justificar a saudação como “algo ‘comum na região’ não se sustenta”.

“Onde eles aprenderam a cantar o hino nacional com as mãos estendidas? E porque é que neste momento crítico esta gente [de São Miguel do Oeste] achou por bem expressar desta forma o seu patriotismo? É ridículo, para dizer o mínimo.”

Klug disse que o movimento neonazista foi impulsionado pela presidência de Bolsonaro, um nacionalista que empregou linguagem depreciativa em relação às minorias. O ex-presidente declarou oficialmente que o nazismo deveria ser repudiado, mas sua maior simpatia pelos grupos de extrema-direita foi tomada como um encorajamento tácito.

Bolsonaro foi banido de cargos políticos por oito anos em junho, depois que o tribunal eleitoral do país decidiu que ele havia abusado de seus poderes presidenciais. Muitos de seus apoiadores viram isso como um ato de perseguição política.


Ana Lúcia Martins: ‘Acho que o extremismo sempre existiu, mas tem havido uma expressão muito mais forte nos últimos anos’ © Ricardo Lisboa/FT

Ana Lúcia Martins, vereadora de esquerda em Joinville, um reduto conservador no estado de Santa Catarina, disse que os partidários da extrema direita estavam se retratando “como vítimas por pensarem de forma diferente”.

Durante as batidas policiais de julho, quatro dos 15 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Joinville. “Acho que o extremismo sempre existiu”, disse Martins, “mas tem havido uma expressão muito mais forte dele nos últimos anos”.

Radde, o ex-policial, disse que muitas vezes falta vontade entre as forças policiais tipicamente conservadoras para enfrentar esse extremismo. “Às vezes eles falam: ‘Ah, é ruim, mas não é crime’.”

+++

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page