top of page

COMO O COLONIALISMO INSPIROU O FASCISMO

Império Britânico matou 165 milhões de indianos em 40 anos


Geopolitical Economy


Imagem: https://geopoliticaleconomy.com/

Um estudo acadêmico descobriu que o colonialismo britânico causou aproximadamente 165 milhões de mortes na Índia de 1880 a 1920, enquanto roubava trilhões de dólares de riqueza. O sistema capitalista global foi fundado em genocídios imperiais europeus, que inspiraram Adolf Hitler e levaram ao fascismo.

Por Ben Norton, publicado em 12/12/2022

O colonialismo britânico causou pelo menos 100 milhões de mortes na Índia em cerca de 40 anos, de acordo com um estudo acadêmico.

E durante quase 200 anos de colonialismo, o império britânico roubou pelo menos US$ 45 trilhões em riqueza da Índia, calculou um proeminente economista.

Os crimes genocidas cometidos pelos impérios europeus fora de suas fronteiras inspiraram Adolf Hitler e Benito Mussolini, levando à ascensão de regimes fascistas que realizaram crimes genocidas semelhantes dentro de suas fronteiras.

O antropólogo econômico Jason Hickel e seu coautor Dylan Sullivan publicaram um artigo na respeitada revista acadêmica World Development intitulado “Capitalismo e pobreza extrema: uma análise global de salários reais, altura humana e mortalidade desde o longo século 16″.

No relatório, os estudiosos estimaram que a Índia sofreu 165 milhões de mortes em excesso devido ao colonialismo britânico entre 1880 e 1920.

“Este número é maior do que o número combinado de mortes das duas guerras mundiais, incluindo o holocausto nazista”, observaram.

Eles acrescentaram: “A expectativa de vida indiana não atingiu o nível da Inglaterra moderna (35,8 anos) até 1950, após a descolonização”.

Hickel e Sullivan resumiram sua pesquisa em um artigo na Al Jazeera, intitulado “Como o colonialismo britânico matou 100 milhões de indianos em 40 anos“.

Eles explicaram:

De acordo com uma pesquisa do historiador econômico Robert C. Allen, a pobreza extrema na Índia aumentou sob o domínio britânico, de 23% em 1810 para mais de 50% em meados do século 20. Os salários reais diminuíram durante o período colonial britânico, atingindo o ápice no século 19, enquanto a fome se tornou mais frequente e mais mortal. Longe de beneficiar o povo indiano, o colonialismo foi uma tragédia humana com poucos paralelos na história registrada.

Especialistas concordam que o período de 1880 a 1920 – o auge do poder imperial da Grã-Bretanha – foi particularmente devastador para a Índia. Amplos censos populacionais realizados pelo regime colonial à partir da década de 1880 revelam que a taxa de mortalidade aumentou consideravelmente nesse período, passando de 37,2 mortes por 1.000 pessoas na década de 1880 para 44,2 na década de 1910.  A expectativa de vida caiu de 26,7 anos para 21,9 anos.

Em um artigo recente na revista World Development, usamos dados do censo para estimar o número de pessoas mortas pelas políticas imperiais britânicas durante essas quatro décadas brutais. Dados robustos sobre as taxas de mortalidade na Índia só existem a partir da década de 1880. Se usarmos isso como base para a mortalidade “normal”, descobrimos que cerca de 50 milhões de mortes em excesso ocorreram sob a égide do colonialismo britânico durante o período de 1891 a 1920.

Cinquenta milhões de mortes é um número impressionante e, no entanto, esta é uma estimativa conservadora. Dados sobre salários reais indicam que, em 1880, os padrões de vida na Índia colonial já haviam diminuído drasticamente em relação aos níveis anteriores. Allen e outros estudiosos argumentam que, antes do colonialismo, os padrões de vida indianos podem ter estado “em pé de igualdade com as partes em desenvolvimento da Europa Ocidental”. Não sabemos ao certo qual era a taxa de mortalidade pré-colonial da Índia, mas se assumirmos que era semelhante à da Inglaterra nos séculos 16 e 17 (27,18 mortes por 1.000 pessoas), descobrimos que 165 milhões de mortes em excesso ocorreram na Índia durante o período de 1881 a 1920.

Embora o número exato de mortes seja sensível às suposições que fazemos sobre a mortalidade basal, é claro que algo em torno de 100 milhões de pessoas morreram prematuramente no auge do colonialismo britânico. Esta é uma das maiores crises de mortalidade induzidas por políticas na história da humanidade. É maior do que o número combinado de mortes que ocorreram durante todas as fomes na União Soviética, na China maoísta, na Coreia do Norte, no Camboja de Pol Pot e na Etiópia de Mengistu.


Este número impressionante não inclui as dezenas de milhões de indianos a mais que morreram de fomes causada pelo império britânico.

Na famigerada fome de Bengala, em 1943, cerca de 3 milhões de indianos morreram de fome, enquanto o governo britânico exportava alimentos e proibia a importação de grãos.

Estudos acadêmicos feitos por cientistas descobriram que a fome de Bengala de 1943 não foi resultado de causas naturais; foi o produto das políticas do primeiro-ministro britânico Winston Churchill.


O próprio Churchill era um notório racista que afirmava: “Eu odeio indianos. Eles são um povo bestial, com uma religião bestial. “No início da década de 1930, Churchill também admirava o líder nazista Adolf Hitler e o ditador italiano que fundou o fascismo, Benito Mussolini.Os próprios partidários acadêmicos de Churchill admitiram que ele “expressou admiração por Mussolini” e, “se forçado a escolher entre o fascismo italiano e o comunismo italiano, Churchill sem hesitação escolheria o primeiro”.


O político indiano Shashi Tharoor, que serviu como subsecretário-geral das Nações Unidas, documentou exaustivamente os crimes do império britânico, particularmente sob Churchill.

Churchill tem tanto sangue nas mãos quanto Hitler“, enfatizou Tharoor. Ele apontou “as decisões que ele [Churchill] assinou pessoalmente durante a fome de Bengala, quando 4,3 milhões de pessoas morreram por causa das decisões que ele tomou ou endossou”.

A premiada economista indiana Utsa Patnaik estimou que o império britânico drenou US$ 45 trilhões de riqueza do subcontinente indiano.


Em uma entrevista de 2018 ao site de notícias indiano Mint, ela explicou:

Entre 1765 e 1938, o dreno foi de £ 9,2 trilhões (equivalente a US$ 45 trilhões), tomando como medida o superávit de exportação da Índia e compondo-o a uma taxa de juros de 5%. Os indianos nunca foram creditados com seus próprios ganhos de ouro e exportações. Em vez disso, os produtores locais aqui foram “pagos” o equivalente a rúpias fora do orçamento – algo que você nunca encontraria em nenhum país independente. O “dreno” variou entre 26% e 36% do orçamento do governo central. Obviamente, teria feito uma enorme diferença se os enormes ganhos internacionais da Índia tivessem sido retidos dentro do país. A Índia teria sido muito mais desenvolvida, com indicadores de saúde e bem-estar social muito melhores. Praticamente não houve aumento da renda per capita entre 1900 e 1946, embora a Índia tenha registrado o segundo maior superávit de exportação do mundo por três décadas antes de 1929.

Uma vez que todos os ganhos foram tomados pela Grã-Bretanha, tal estagnação não é surpreendente. Pessoas comuns morriam como moscas devido à desnutrição e doenças. É chocante que a expectativa indiana de vida ao nascer fosse de apenas 22 anos em 1911. O índice mais revelador, no entanto, é a disponibilidade de grãos para alimentos. Como o poder de compra dos indianos comuns estava sendo espremido por altos impostos, o consumo anual per capita de grãos caiu de 200 kg em 1900 para 157 kg às vésperas da Segunda Guerra Mundial, e despencou ainda mais para 137 kg em 1946. Nenhum país do mundo hoje, nem mesmo o menos desenvolvido, está nem perto da posição que a Índia estava em 1946.

Patnaik enfatizou:

O mundo capitalista moderno não existiria sem o colonialismo e o ralo. Durante a transição industrial da Grã-Bretanha, de 1780 a 1820, o escoamento da Ásia e das Índias Ocidentais combinado foi de cerca de 6% do PIB da Grã-Bretanha, quase o mesmo que sua própria taxa de poupança. Depois de meados do século 19, a Grã-Bretanha estava com déficits em conta corrente com a Europa Continental e a América do Norte e, ao mesmo tempo, estava investindo maciçamente nessas regiões, o que significava também déficits na conta de capital. Os dois déficits somaram grandes e crescentes déficits da balança de pagamentos (BoP) com essas regiões.

Como foi possível para a Grã-Bretanha exportar tanto capital – que foi para a construção de ferrovias, estradas e fábricas nos EUA e na Europa continental? Seus déficits do BoP com essas regiões estavam sendo resolvidos apropriando-se do ouro financeiro e do câmbio ganhos pelas colônias, especialmente a Índia. Todas as despesas incomuns, como a guerra, também eram colocadas no orçamento indiano, e tudo o que a Índia não era capaz de cumprir por meio de seus ganhos cambiais anuais era mostrado como seu endividamento, sobre o qual os juros se acumulavam.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page